Os candidatos a presidente pelo PSDB, José Serra, e pelo PT, Dilma Rousseff, fizeram um debate burocrático e sem confronto nesta sexta-feira, 29, na Globo. O encontro, que aconteceu nos estúdios da emissora no Rio de Janeiro, foi o último antes do segundo turno, que acontece no próximo domingo, 31.

Com um formato diferente de todos os outros nove encontros, os candidatos responderam a perguntas de eleitores indecisos e não puderam fazer perguntas um ao outro. Foram feitas 12 perguntas ao longo dos três blocos, respondidas por um candidato, comentada pelo adversário e com direito à tréplica. Os candidatos evitaram se agredir, como aconteceu em outros debates e sempre elogiaram as perguntas dos eleitores. Além das acusações, a discussão sobre privatizações também se tornou ausente do debate.

Ao final do debate, Dilma lamentou a ‘campanha suja’ de que foi vítima na internet, mas afirmou ‘não guardar mágoas’. A petista admitiu ainda que há problemas na saúde depois de Serra, ex-ministro da pasta, ter afirmado que a saúde “andou para trás” no governo Lula.

Se o formato acabou levando a um debate burocrático e sem emoção, por outro lado, acabou levantando preocupações dos eleitores.

Um dos temas debatidos foi a questão da informalidade. Segundo Serra, 50% da força de trabalho brasileira está na informalidade. O tucano prometeu investir em crédito para a população e em cursos profissionalizantes. Dilma citou a criação de de 15 milhões de empregos formais durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva e afirmou que dará continuidade a essa política, além de seguir com sua política de crédito para micro-empreendedores. Serra disse ver risco de o crescimento do País ter o efeito de vôo de galinha, ou seja, não ser sustentável, o que foi negado pela petista.

A alta carga tributária foi outro tema debatido pelos candidatos. Citando a alta arrecadação, Serra afirmou que a arrecadação cresce em função da alta carga tributária, enquanto para Dilma a arrecadação cresce junto com a própria economia. “a gente que crescia 2%, hoje a discussão é se vamos crescer 7, 7,5 ou 8%”, afirmou a candidata governista. Ambos se comprometeram com a redução da carga tributária e a melhoria dos serviços públicos. Os dois também se comprometeram a desonerar a folha de pagamento das empresas.

O debate atingiu 25 pontos no Ibope (cada um ponto correponde a 55 mil televisores na Grande São Paulo). O debate da Record havia atingido 13 pontos.

21h40 – Chama a atenção na plateia a presença dos tucanos Verônica Serra, filha do candidato do PSDB, e Tasso Jereissati, que não compareceram aos últimos debates. Ainda do lado tucano, marcam presença na platéia o governador eleito do Paraná, Beto Richa, e o senador eleito por Minas Gerais, Aécio Neves. Os governadores de São Paulo, Alberto Goldman, e de Minas, Antonio Anastasia, também estão no estúdio. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, o vice-governador eleito de São Paulo, Guilherme Afif Domingos, o vice de Serra, Índio da Costa, e o secretário da cidade de São Paulo Andrea Matarazzo completam o time tucano. No lado petista, o assessor especial da Presidência da República Marco Aurélio Garcia, o ministro das Cidades, Marcio Fortes, o governador do Rio, Sérgio Cabral, e o ex-ministro Mangabeira Unger compõe a entourage.

21h53 – A colunista Sonia Racy, que acompanha o debate da platéia, relata que o acirramento da campanha observado nos últimos dias não se reproduz dentro do estúdio, onde o clima é “estranhamente calmo”. Na avaliação de correligionários de Dilma e Serra ouvidos pela colunista, a razão para a calmaria é o formato do debate, em que as perguntas são feitas apenas pelos eleitores.

Para a senadora eleita Marta Suplicy (PT-SP), o embate dificilmente terá grandes “brigas e disputadas, porque é o povo que vai estar perguntando”. Entre os tucanos, a avaliação é de que o impacto das últimas pesquisas desanima eleitor, mesmo que elas não retratem exatamente a realidade.

22h – José Serra foi o primeiro candidato a chegar.

22h01 – Também estão nos estúdios da Globo o governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra, o governado eleito de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB), o deputado federal José Eduardo Cardozo (PT), o vice de Dilma, Michel Temer, e o senador eleito por Minas Gerais, Aécio Neves.

22h02 – Dilma entra acompanhada de seus coordenadores de campanha Antonio Palocci e José Eduardo Dutra, além do marqueteiro João Santana.

22h04 – Após se cumprimentarem, os candidatos são obrigados a repetir o movimento, à pedido dos fotógrafos.

22h07 – O marqueteiro Luiz Gonzalez conversa com Serra. Dilma espera de pé. Está vestida de verde musgo, quase cinza.

22h09 – Na primeira fila dos convidados de Serra: Mônica Serra, Alberto Goldmann, Jutahy Magalhães. Na primeira fila de Dilma: Sérgio Cabral, Marco Aurélio Garcia, Marta Suplicy, Tião Viana e Michel Temer.

22h14 – Começa o debate. O apresentador William Bonner apresenta os candidatos, que saúdam plateia e telespectadores.

22h15 – Eleitora pergunta para Serra quais as propostas de Serra para o funcionalismo público.

22h16 – Serra diz defender “a carreira e o concurso, a valorização dos profissionais de cada área”. Para Serra, o serviço público valorizado melhora a auto-estima de todo o País. O tucano afirma ainda que o servidor tenha aposentadoria integral.

22h18 – Dilma afirma que há tradição no Brasil de pagar o funcionalismo público. Diz que o governo Lula tem política de valorização de professores e de policiais. “Vou ter um compromisso muito forte com a questão da educação”, afirma. “Sou contra que mantenha serviços terceirizados na administração pública”, acrescentou.

22h21 – Serra afirma defender o mérito, “inclusive com bonificação”. Diz defender que o funcionário tenha uma boa folha de serviços para que ele possa ocupar um cargo comissionado. “Quando era ministro da Saúde, fiz isso com a Funasa.” Diz que o governo Lula revogou essa medida e que agora a Funasa se tornou poltizada.

22h23 – Eleitor de Porto Alegre pergunta para Dilma a proposta para a agricultura e para manter a ordem no campo.

22h23 – Dilma escolhe o segundo eleitor a perguntar. Robinson , de Porto Alegre, pergunta sobre agricultura. “No Rio Grande do Sul nós tivemos uma das melhores experiências em agricultura dos últimos anos, que é da agricultura familiar”, diz Dilma, que promete levar o programa para o resto do País. Ela atribui o sucesso a programas do governo federal, como o Luz Para Todos. “Temos que dar, para o filho do agricultor, as mesmas condições que damos para os filhos do morador das cidades”, diz Dilma. “Educação é nosso grande desafio”, diz ela, que diz esperar que o filho do agricultor volte para o campo como agrônomo ou veterinário, para trabalhar no campo.

22h26– Serra comenta a pergunta. Para ele, agricultura depende de renda, financiamento e infraestrutura. “Nós estamos tendo agora uma inflação de alimentos”, diz Serra, que critica o crescimento nos preços de artigos básicos do campo. “Portanto, ficar no campo, significa enfrentar essas questões”, completa.

22h28 – “Eu acredito que um dos melhores programas é a compra direta dos alimentos do agricultor”, diz Dilma. “Ele produz e tem quem compre direto”, completa a candidata, que promete ampliar o programa. Ela rebate Serra. “Esse aumento dos preços é sazonal. Isso aconteceu em outros momentos no Brasil, mas depois volta ao normal”, diz a candidata petista. “No pequeno agricultor está uma das principa…

22h29 – Eleitor do Distrito Federal pergunta a Serra sobre corrupção. Diz que há muita corrupção e questiona: “o que fazer para mudar?”

22h30 – Serra comenta a pergunta. Para ele, agricultura depende de renda, financiamento e infraestrutura. “Nós estamos tendo agora uma inflação de alimentos”, diz Serra, que critica o crescimento nos preços de artigos básicos do campo. “Portanto, ficar no campo, significa enfrentar essas questões”, completa. Serra diz que quando foi ministro da Saúde levou para membros do Ministério Público para acompanhar as ações do ministério. Ele cita a importância da imprensa e da Justiça para descobrir escândalos e punir. “O exemplo tem que vir de cima”, completa Serra.

22h32 – Dilma diz que o governo Lula profissionalizou a Polícia Federal e que foram investigadas pessoas mais graduadas. “É importante investigar e punir. Doa a quem doer. A Polícia Federal foi um instrumento importante no combate à corrupção. Outro instrumento importante foi a Controladoria Geral da União que investigou o caso das sanguessugas, não sei se você lembra”. A candidata cita ainda a atuação do Ministério Público.

22h34 – Serra volta a dizer que o exemplo, no caso da corrupção, deve vir de cima. “Quando o chefe do governo, o presidente, o governador ou o prefeito passa a mão na cabeça, o exemplo é péssimo”, diz Serra. “É evidente que todo mundo pode pecar”, acrescenta Serra. Ele defende que o controlador geral da república é um cargo de confiança do presidente e lembra casos em que responsáveis pela corrupção não foram punidos, como no caso dos aloprados.

22h37 – Eleitora conta história de tentativa de assalto de que foi vítima e pergunta a Dilma o que ela pretende fazer para melhorar a segurança no País.

22h37 – “Uma das questões graves no Brasil hoje é o da segurança pública”, diz Dilma, que diz discordar da visão de que a segurança púbica seja uma questão dos Estados. Ela cita programas do governo federal de formação de policiais. “Sobretudo, não pode haver a impunidade. Tem de haver a prisão e a punição”, diz Dilma, que promete investir em bases comunitárias de polícia.

22h40 – Serra diz que a segurança é assunto prioritário dos Estados, mas que o governo federal deve entrar nessa questão. Para o tucano, o governo federal deve policiar as fronteiras e impedir a entrada das drogas, “que financia o crime”. O candidato defende a criação do Ministério da Segurança. “A luta contra o crime deve ser nacional, até para que sejam trocadas informações entre os Estados. Tem de se fazer um banco de dados nacional de criminosos”.

22h42 – Dilma diz haver um cadastro nacional de criminosos e de presos no País. “O que estamos fazendo agora é juntar esses dois cadastros”, diz a petista. A candidata cita a criação da Força Nacional de Segurança Pública, que atua nos Estados no lugar do Exército, que “não tem especialização para atuar nas ruas”. Dilma defende ainda “um sistema de julgamento rápido”.

22h44 – Termina o primeiro bloco. Debate é morno. Dilma se atrapalhou com o tempo em quase todas as suas intervenções.

22h49 – Começa o segundo bloco. Eleitora do Rio conta que em sua região a população sofre quando chove e pegunta o que Dilma pretende fazer para resolver o problema do saneamento básico.

22h50 – “Melissa, queria te dizer que eu tenho um compromisso que é resolver o problema das enchentes”, diz Dilma. A candidata petista culpa a falta de investimentos em habitação dos Estados pela ocupação das áreas de risco. “Eu vou triplicar os valores dos investimentos em saneamento básico e tratamento de água”, diz Dilma.

22h52 – Serra diz que saneamento é também uma questão de saúde pública e ambiental. “Hoje o que está acontecendo é que, com as mudanças climáticas, as tragédias naturais estão se multiplicando”, diz o tucano. Ele defende a criação de uma força nacional de defesa civil. Serra critica a duplicação dos impostos cobrados sobre os investimentos em saneamento.

22h55 – Dilma afirma que o saneamento não tinha investimentos e esse investimento foi retomado nos últimos. Cita obras no Rio de Janeiro em locais como Rocinha e Complexo do Alemão.

22h56 – Coracy, de Salvador, pergunta a Serra sobre as propostas do candidato para a educação.

22h56 – “A educação é o futuro”, diz Serra, que defende um Plano Nacional de Educação e um pacto “acima dos partidos políticos” pela educação. Ele cita o exemplo da Coréia do Sul, que “era um dos países pobres” e que hoje compõe os países ricos. O tucano critica o aparelhamento político dos sindicatos.

22h59 – Com todos os lugares da platéia tucana ocupados, Márcio Fortes, do PSDB, teve de sentar com a turma do PT. O comentário, nos bastidores, é de que ele pousou no ninho errado.

22h59 – Dilma afirma que “se não houver pagamento digno para professor, não há como o Brasil ter qualidade na educação.” Cita a criação do piso nacional para professores no governo Lula. Diz que não é possível “receber professor com cacetete ou interromper o diálogo” quando o professor reivindica melhores salários. “Farei da campanha para pagar bem professores uma prioridade do meu governo”, promete.

23h00 – “Eu sou professor”, diz Serra ao introduzir sua resposta. “Eu vi com muita clareza o que meus assessores diziam: o problema da educação está na sala de aula”, diz Serra, que diz que todos os investimentos devem ser feitos no sentido de melhorar a qualidade das aulas. Ele defende uma melhora na remuneração dos professores. “Minha preocupação não é com partidos, minha preocupação é com os alunos.”

23h03 – Miguel, de Fortaleza, diz que sua mãe tem uma farmácia e que ela sofre com a legislação trabalhista, que onera muito o negócio. Pergunta para Dilma o que ela pretende fazer quanto a isso.

23h03 – “O Brasil tem de desonerar a folha de pagamento”, diz Dilma, que cita a geração de 15 milhões de empregos. “Mas precisamos gerar mais, para nossa população sair da miséria”, diz. A petista promete uma reforma tributária que desonere a folha. “Eu proponho que o enquadramento no Super Simples seja ampliado”, afirma. A proposta é ampliar o faturamento limite do programa. “É justamente na pequena empresa onde se cria o maior número de empregos no Brasil”, diz petista.

23h06 -Serra diz que o Brasil é um dos países que mais paga imposto sobre a folha. “Para ser modificado, não é simples. Temos que ser responsáveis nessa questão. Dá para avançar nessa desoneração. Porque você não pode perder receita.” Serra defendeu um esquema de micro-crédito como o que foi feito em São Paulo, que chegou a um juro de 0,7% ao mês, um “juro de mãe”, afirmou.

23h08 – Dilma insiste na desoneração da folha de salário. “No passado, o que se fazia na crise? Aumentava imposto”, diz a petista, que contrapõe às políticas dos governos anteriores às do governo Lula, que “reduziu o IPI”. “Nós já experimentamos os resultados de quando a gente abaixa impostos. Você acaba ganhando”, conclui.

23h10 – Madalena, de Belo Horizonte, diz que a população é tratada como “lixo” quando o assunto é saúde e pergunta a Serra se isso vai mudar ou se as pessoas continuarão a ser tratadas como “animais”.

23h11 – “Eu acho que a nossa saúde parou nos últimos anos e, diante das necessidades, andou para trás”, diz Serra. “Saúde é uma coisa que você nunca vai chegar à perfeição”, admite o tucano, que afirma que o desafio é melhorar a cada dia. Ele lembra suas ações à frente do ministério da Saúde. “Quem está no interior sofre mais”, acrescenta Serra, para quem é necessário ampliar as redes de clínicas públicas.

23h13 – Dilma diz reconhecer que há problema na saúde. Diz que vai aumentar os repasses para Estados e prefeituras para completar o Sistema Único de Saúde. “Hospital é cheio porque todo mundo vai para o hospital.” Diz que vai criar unidades de pronto atendimento, para que a pessoa não precise ir ao hospital diante de qualquer problema. Diz também que írá criar o programa “Mamãe Cegonha”, para atender as grávidas.

23h13 – Serra retoma sua fala, citando o exemplo das Santa Casas. “Os Estados e municípios ampliaram muito seus esforços. Mas o que diminuiu foi o governo federal”, diz o tucano. Para ele, as UPAs do Rio de Janeiro são iguais às AMAs de São Paulo. “É preciso turbinar os genéricos”, acrescenta.

23h19 – Termina o segundo bloco.

23h23 – Começa o terceiro e último bloco. Paraense Pablo Alex pergunta a Dilma o que ela pretende fazer pelo meio-ambiente.

23h24 – Dilma afirma que assinou compromisso para reduzir emissão de gases estufa. Cita números da redução de desmatamento durante o governo Lula e diz que terá “tolerância zero” com o desmatamento. Afirma que vai criar áreas de conservação.

23h25 – Serra diz que, no caso do Pará, precisa melhorar a infra-estrutura, para ter mais possibilidade de desenvolvimento econômico sem desmatamento. “Temos que fortalecer muito a pesquisa nessa área”. Defende parceria com empresários.

23h27 – Dilma afirma que o governo Lula aumentou a repressão contra o desmatamento. “Colocamos a Polícia Federal, as Forças Armadas e o Ibama para combater o desmatamento”. Diz também que regularizaram as terras de pequenas propriedades.

23h29 – Pedro Belém, de São Paulo, pergunta o que fazer para que as famílias assistidas pelo Bolsa Família possam viver sem ajuda.

23h30 – Serra afirma que é vai ampliar o Bolsa-Família, mas que pretende capacitar as pessoas. Diz que dará bolsa para os jovens se qualificarem.

23h32 – Dilma afirma que “quem cuida de pobre em São Paulo” é o governo federal. Afirma que há um milhão e 400 mil pessoas em São Paulo em situação de risco e que o governo federal consegue atender um milhão e 100 mil. Segundo ela, programas como o Bolsa-Família permitiram o acesso das pessoas ás 15 milhões de vagas com carteira assinada. Defendeu o Bolsa-Família e disse que 28 milhões de pessoas saíram da pobreza. Voltou a se atrapalhar com o tempo. Bonner disse que a culpa foi dele e Dilma respondeu que a culpa era do relógio, ganhando alguns aplausos.

23h36 – Serra promete investir em saúde e segurança e diz que essas também são questões sociais.

23h37 – Eleitor do Paraná pergunta a Dilma “se vai ter fim” o problema da educação pública no País.

23h37 – Dilma diz que a necessidade da classe média em pagar por serviços como educação e saúde “vai ter fim”. “Eu considero que a questão da educação é a questão mais importante do Brasil”, diz Dilma. “Um país de pessoas que estudam e se dedicam a isso é um país diferenciado”, continua.

23h39 – Serra cita o ‘impostômetro’: “Deu um trilhão de arrecadação este ano. 50 dias antes do ano passado. Ou seja, os impostos estão aumentando muito. Há uma diferença grande entre o que se paga e o que se recebe de volta como serviço.” Diz que vai desonerar imposto sobre remédio e a cesta básica. Conta que quando era ministro, procurava saber como estava o serviço público de Saúde, “para melhorar o serviço”.

23h42 – “Sabe por que aumentou a arrecadação? Porque, a gente que crescia 2%, hoje a discussão é se vamos crescer 7, 7,5 ou 8%”, diz Dilma. Segundo ela, o crescimento econômico garante um aumento na arrecadação sem a necessidade de uma maior carga tributária. “Eu sou à favor da redução nos custos dos serviços públicos federais”, diz Dilma.

23h44 – Josivaldo, de Pernambuco, diz que abriu seu próprio negócio e contribui para a Previdência, mas diz que sua mulher e seus irmãos trabalham na informalidade e pergunta o que pode ser feito pelos brasileiros que estão na informalidade.

23h44 – Serra vê risco de o crescimento do País ter o efeito de vôo de galinha, ou seja, não ser sustentável.

23h47 – Dilma está rouca. Diz que o MEI (Micro-empreendedor individual) e afirma que vai incentivar esse tipo de ação no seu governo. Afirma ainda que vai continuar incentivando a criação de empregos formais e cita as 15 milhões de vagas criadas sob Lula. Diz que também dará continuidade à política de créditos de Lula.

23h49 – – Segundo Serra, 50% da força de trabalho brasileira está na informalidade. Ele promete investir no banco do povo e em cursos profissionalizantes.

23h52 – Dilma, em considerações finais: “Represento um projeto que tem o foco principal nas pessoas. Represento um projeto de valorização das pessoas, dos jovens, das crianças, dos trabalhadores.” A petista critica boatos da internet, mas diz não guardar mágoas. “Peço humildemente o voto de cada um dos brasileiros e brasileiras. Me comprometo a criar um País de oportunidades em que todos terão o direito de ter acesso aos bens materiais da civilização.

23h55 – Serra, em : “Espero ter contribuído para que as pessoas possam tirar dúvidas sobre os candidatos.” Cita o exílio e diz que foi perseguido pela ditadura. Pede o voto dos eleitores e propõe uma aliança “com vocês, pelo futuro e pelo Brasil”.

23h57 – Termina o debate.

Fonte: http://blogs.estadao.com.br/radar-politico/

Anúncios