Deputado eleito causa arrepio na Câmara e diz que ‘chegou com sorte’ pelo aumento recebido

15 de dezembro de 2010 | 20h 21
por Rafael Moraes Moura, de O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA – Numa daquelas coincidências repletas de simbolismos, Tiririca, personagem que zombou da classe política no horário eleitoral gratuito – quando disse que não sabia o que fazia um deputado e afirmou que “pior do que tá não fica” – chegou à capital no dia em que o reajuste salarial dos parlamentares foi aprovado. “Cheguei com sorte. Graças a Deus foi aprovado, acho justo”, disse o palhaço. Escolhido por 1,3 milhão de pessoas para representar São Paulo na Câmara, ele acha que a votação lhe dará “moral” na Casa.

Em passagem relâmpago por Brasília, Tiririca deixou a peruca e o chapéu para trás, trocou o figurino de palhaço pelo terno e gravata, fantasiou-se de político e enfrentou o assédio da imprensa e do público na sua primeira e tumultuada visita ao Congresso.

A prioridade de seu mandato será a área de Educação, assunto que o perseguiu após a eleição, quando teve de comprovar que não era analfabeto.

Tiririca prometeu se ajustar à rotina legislativa, cujo expediente semanal geralmente se resume a três dias: de terça a quinta.

“Vai ser assim mesmo. Na sexta, estarei na base”. Base? “É, base”, respondeu.

A carreira de humorista não deve ser abandonada, já que pretende conciliar o expediente na Câmara com o papel de Tiririca. “Não vou abandonar o Tiririca”.

Durante o périplo pelo Congresso – foi à Comissão de Educação, ao plenário da Câmara, à liderança do PR, ao plenário do Senado, aos gabinetes dos senadores Alfredo Nascimento e Magno Malta -, o campeão de votos causou arrepios.

Tiririca posou para fotos, cumprimentou populares (teve um que apareceu com peruca à Tiririca), foi assediado por funcionárias de limpeza mais desinibidas, mas recusou-se a cantar Florentina. “Só com cachê”, disse.

Quando o assunto foi a pauta legislativa, o deputado eleito silenciou. Legalização de bingos? Reajuste de salário mínimo? Código Florestal? Tiririca não quis comentar.

Para a assessora jurídica Gláucia Brito, que acompanhou parte do frenesi, o circo vai estar montado em 2011. “Antes já era protótipo de circo, agora é que vai ficar armado mesmo”, afirmou.

No horário eleitoral, Tiririca perguntava: “O que é que faz um deputado federal? Na realidade, eu não sei. Mas vote em mim que eu te conto”. A expectativa é saber se ele cumprirá a palavra. Daqui a quatro anos, terá algo a contar?

Fonte: estadao.com.br

Anúncios